RECADO ATERRADOR SOBRE A TUA LIBERDADE

“ ... Digamos que tudo aquilo que sabes não seja apenas errado, mas uma mentira cuidadosamente engendrada. Digamos que tua mente esteja entupida de falsidades: sobre ti mesmo, sobre a história, sobre o mundo a tua volta, plantadas nela por forças poderosas visando a conquistar, pacificamente, tua complacência. A liberdade, nessas circunstâncias, não passa de uma ilusão, pois és, na verdade, apenas um peão num grande enredo e o teu papel o de um crédulo indiferente. Isso, se tiveres sorte. Se, em qualquer tempo, convier aos interesses de terceiros o teu papel vai mudar: tua vida será destruída, serás levado à fome e à miséria. Pode ser, até, que tenhas de morrer. Quanto a isso, nada poderá ser feito. Ah! Se acontecer de conseguires descobrir um fiapo da verdade até poderás tentar alertar as pessoas; demolir, pela exposição, as bases dos que tramam nos bastidores. Mas, mesmo nesse caso, também não terás muito mais a fazer. Eles são poderosos demais, invulneráveis demais, invisíveis demais, espertos demais. Da mesma forma que aconteceu com outros, antes de ti, também vais perder!" Charles P. Freund, Editorialista do “The Washington Post”. T.A.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

PEDIDO DE SOCORRO, DIRETO DE HONDURAS

  • Primero, texto EN ESPAÑOL 
  • Second, text IN ENGLISH
  • Terceiro, texto EM PORTUGUÊS


EN ESPAÑOL
Juventud Hondureña "San Miguel Arcángel"
¡San Miguel Arcángel, Patrono de Tegucigalpa, Honduras, aplastad la cabeza de Satanás, que atormenta a nuestra querida Patria!
S.O.S urgente y dramático a nuestros hermanos hondureños y a todos los hombres de buena voluntad del mundo entero.

  1. Discúlpennos por la brevedad casi telegráfica, pero corremos el riesgo de caer en el peor de los abismos a cualquier momento, y les imploramos vuestra ayuda.
  2. El comunismo satánico e intrínsecamente perverso quiere a toda costa esclavizar a nuestra querida Patria. Las expresiones "comunismo satánico" y "comunismo intrínsecamente perverso" no son nuestras, sino del inmortal Pio XI, escritas y firmadas por él en la Encíclica "Divini Redemptoris".
  3. Si el comunismo es satánico, entonces, es el propio Satanás que lo promueve e incentiva.
  4. Si es Satanás el que incentiva al comunismo, nada más oportuno que pedir a San Miguel Arcángel que desenvaine su celestial espada, corte y aplaste la cabeza de Satanás y lo expulse de Honduras, con todas las huestes de demonios que lo ayudan en este momento y que atormentan a los hondureños.
  5. El día 29 de septiembre pp. fue la Fiesta de San Miguel Arcángel, Patrono de Tegucigalpa, la capital de Honduras. Imploramos a todos los hombres y mujeres de buena voluntad, del mundo entero, que eleven una súplica a San Miguel Arcángel para que aplaste, cuanto antes, la cabeza de la Serpiente infernal que atormenta a Honduras.
  6. Somos jóvenes hondureños que queremos estudiar, pero turbas revolucionarias no nos dejan hacerlo. Somos jóvenes comerciantes que queremos trabajar, pero turbas revolucionarias queman nuestros negocios y saquean nuestros bienes. Somos jóvenes hondureños que queremos votar en las próximas elecciones nacionales, pero turbas revolucionarias hacen todo lo posible para que no haya elecciones. Somos jóvenes hondureños amantes de la paz, pero turbas revolucionarias están destruyendo nuestra Patria.
  7. Por favor, responda a este mensaje, colocando una de las siguientes opciones en el Asunto: Cuenten con mi súplica / Cuenten con mi súplica y las de mi familia / O cualquier otro texto que quiera colocar. En el cuerpo del mensaje, puede escribir lo que desee, que lo leeremos con toda atención y le responderemos en seguida que podamos.
  8. Los católicos pueden suplicar a San Miguel Arcángel por la intercesión de Nuestra Señora de la Concepción de Suyapa, cuya pequeña y milagrosa imagen fue hallada en 1747. Su proclamación como Patrona de Honduras fue hecha por Pío XI en 1925, el mismo Pontífice que proclamó al comunismo como "satánico" e "intrínsecamente perverso". Hoy, más de 100 años después, cuando nuestra Patria corre el riesgo de caer en un abismo satánico e intrínsecamente perverso, ese acto de Pío XI parece adquirir un carácter profético. Que los católicos no se olviden entonces de suplicar a San Miguel por la intercesión de la Patrona de Honduras.
Por la Juventud Hondureña "San Miguel Arcángel", Roberto Pineda Rosales, joven estudiante, Tegucigalpa
Vilma Acosta, joven comerciante, San Pedro Sula
 
IN ENGLISH
"Saint Michael the Archangel" Honduran Youth
Saint Michael the Archangel, Protector of Tegucigalpa, Honduras, crush the head of Satan, who torments our beloved Country!
Urgent and dramatic SOS to our Honduran brothers and all men of good will from all over the world.

  1. Excuse us for the nearly telegraphic shortness, but we are running the risk of falling down the worst of abysses at any moment now, and beg for your help.
  2. Satanic and intrinsically evil communism want to slave our beloved country at all cost. Expressions like "Satanic communism" and "intrinsically evil communism" are not ours, but rather by the immortal Pius XI, written and signed by him in the Encyclical "Divini Redemptoris".
  3. If communism is satanic, then it is Satan himself, who promotes it and stimulates it.
  4. If Satan stimulates communism, nothing more timely than beg Saint Michael the Archangel to crush his head and expel him out of Honduras, along with all the horde of demons that help him up right at this moment and that torment Hondurans.
  5. On September 29 was the Festivity of Saint Michael the Archangel, who is Protector of Tegucigalpa, capital of Honduras. We implore to all men and women of good will, of the whole world, to raise a prayer to Saint Michael the Archangel to crush, as soon as possible, the head of the Infernal Serpent that torments Honduras.
  6. We are young Hondurans who want to study, but revolutionary herds do not let us do it. We are young merchants who want to work, but revolutionary herds burn our businesses and loot our property. We are young Hondurans who mean to vote on the next nationwide elections, but revolutionary herds are doing all possible for elections not to take place. We are young Hondurans, lovers of peace, but revolutionary herds are destroying our Country.
  7. Please reply to this message, selecting one of the following options on Subject: You can count with my prayers / You can count with my prayers and those of my family / (Or any other text you would like to add). On the message's body, please write in whatever you would like to, that we will read it attentively and reply as soon as possible.
  8. Catholics may beg to Saint Michael the Archangel on behalf of Our Lady of the Conception of Suyapa, whose small and miraculous image was found back in 1747. Her proclamation as Protector of Honduras was done by Pius XI in 1925, the very same Pontiff who proclaimed communism as "satanic" and "intrinsically evil". Today, over 100 years later, when our Country runs the risk of falling down in a satanic and intrinsically evil abyss, those words by Pius XI seems to acquire a prophetic character. Hopefully, Catholics may pray to Saint Michael on behalf of the Lady Protector of Honduras.
For the "Saint Michael the Archangel" Honduran Youth, Roberto Pineda Rosales, young student, Tegucigalpa
Vilma Acosta, young merchant, San Pedro Sula

EM PORTUGUÊS
Juventude Hondurenha "São Miguel Arcanjo"
São Miguel Arcanjo, Patrono de Tegucigalpa, capital de Honduras, esmagai a cabeça de Satanás, que atormenta nossa querida Pátria!
S.O.S. urgente e dramático a nossos irmãos hondurenhos e a todos os homens de boa vontade do mundo inteiro.

  1. Pedimos desculpas pela brevidade quase telegráfica, e pelo portunhol desta mensagem, mas estamos correndo o risco de cair no pior dos abismos em qualquer momento, e imploramos a ajuda de vocês.
  2. O comunismo satânico e intrinsecamente perverso quer a todo custo escravizar nossa querida Pátria. As expressões "comunismo satânico e comunismo intrinsecamente perverso não são nossas, mas do imortal Pio XI, por ele escritas na Encíclica "Divini Redemptoris".
  3. Se o comunismo é satânico, então, isso quer dizer que é o próprio Satanás que o promove e incentiva.
  4. Se é o próprio Satanás que promove o comunismo, nada mais oportuno do que pedir a São Miguel Arcanjo que esmague sua cabeça, e o expulse de Honduras, com todas as hostes de demônios que o ajudam neste momento e que atormentam os hondurenhos.
  5. No dia 29 de setembro foi a Festa de São Miguel Arcanjo, Padroeiro de Tegucigalpa, a capital de Honduras. Imploramos a todos os homens e mulheres de boa vontade do mundo inteiro, que façam una súplica a São Miguel Arcanjo para que empunhe sua celestial espada e corte e esmague, o quanto antes, a cabeça da Serpente infernal que atormenta Honduras.
  6. Somos jovens hondurenhos que queremos estudar, mas hordas revolucionárias não nos deixam faze-lo. Somos jovens profissionais e comerciantes que queremos trabalhar, mas hordas revolucionárias queimam nossos negócios e saqueiam nossos bens. Somos jovens hondurenhos que queremos votar nas próximas eleições nacionais, mas hordas revolucionárias fazem todo o possível para que não haja eleições. Somos jovens hondurenhos amantes da paz, mas hordas revolucionárias estão destruindo nossa Pátria.
  7. Por favor, responda a esta mensagem, acrescentando uma das seguintes opções no Assunto: Contem com minha súplica a São Miguel / Contem com minha súplica e as da minha família / Ou qualquer outro texto que deseje acrescentar. No corpo da mensagem, pode escrever aquilo que desejar. Leremos sua mensagem com toda atenção e carinho, e responderemos logo que pudermos.
  8. Os católicos podem fazer suas súplicas a São Miguel Arcanjo pela intercessão de Nossa Senhora da Conceição de Suyapa, cuja pequena e miraculosa imagem foi achada em 1747. Foi proclamada Padroeira de Honduras por Pio XI em 1925, o mesmo Pontífice que proclamou o comunismo como "satânico" e "intrinsecamente perverso". Hoje, após mais de 100 anos, quando nossa Pátria corre o risco de cair num abismo satânico e intrinsecamente perverso, essas palavras de Pio XI adquirem um caráter profético. Que os católicos não se esqueçam, então, de suplicar a São Miguel pela intercessão de Nossa Senhora de Suyapa, Padroeira de Honduras.
Pela Juventude Hondurenha "São Miguel Arcanjo", Roberto Pineda Rosales, jovem estudante, Tegucigalpa
Vilma Acosta, jovem comerciante, San Pedro Sula

PLANO DE SAÚDE UNIVERSAL DE OBAMA, QUE PROCURA FAVORECER O ABORTO, GERA DISPUTAS ENTRE CONSERVADORES E PROGRESSISTAS.

Começam a emergir das pesadas brumas em que a imprensa esquerdista planetária, propositalmente, os mergulhou, certos aspectos recônditos do verdadeiro caráter e do projeto de governo “progressista” (liberal-esquerdista) de Barack Obama. A onda propagandística, veloz e avassaladora, que transportou Obama do mais completo anonimato ao salão oval da Casa Branca, impediu um debate temporal prudente e adequado, mais amplo e profundo, de suas verdadeiras idéias e do caráter ideológico de seu programa de governo. E o primeiro grande embate entre o presidente ‘progressista’ e a oposição conservadora ao governo começou a surgir com a apressada tentativa de aprovação de seu programa estatal de assistência universal de saúde (‘Health Care Insurance’).
Dissimulado sob o verdadeiro e sedutor argumento de que “... milhares de americanos não possuem planos de saúde algum, não tendo, portanto, como prover assistência para si e suas famílias em caso de doença, sem perder seu patrimônio e pedir falência diante das altíssimas contas por tratamentos ambulatoriais e hospitalares de saúde...”, o projeto de Obama, não obstante, esconde alguns “truques de prestidigitação esquerdista”.
O projeto, singular, embute alguns dos itens mais caros ao ‘progressismo socialista’, em especial os que descuidam, na visão ética ocidental, do direito e do respeito irrestritos aos seres humanos e ao direito à vida. O primeiro deles a vazar, de forma por sinal ainda muito mal explicada, foi a admissão de uma espécie de suposto “direito superior de escolha” de quem mereceria, ou não, receber o tratamento especializado. Como e quem faria essa seleção, ao melhor estilo “Escolha de Sofia” e tivesse o direito de apontar, em nome de uma suposta racionalidade na aplicação dos recursos disponíveis, aqueles que poderiam, ou não, vir a recebê-los em garantia de tratamento e sobrevivência, não foi, até aqui, bem explicitado.
Agora, segundo nos informa o ‘The New York Times’ de hoje, 29.09.2009, o mais novo embate entre os progressistas de Barack Obama e a maioria conservadora cristã norte-americana, é que os últimos se recusam, peremptoriamente, a concordar que recursos públicos, sob a forma de subsídios, sejam alocados aos “planos de saúde privados” que comporão o “sistema universal” propugnado pelo presidente, os quais venham garantir aos seus usuários o direito de recorrer a cirurgias de “aborto”.
Exigem os conservadores cristãos que todos aqueles desejando recorrer a esse verdadeiro atentado à vida, o façam ao amparo da lei ainda vigente, porém à custa do próprio bolso, não dos recursos arrecadados a todo o povo americano, através do imposto de renda e de outras taxas compulsórias.
Começam assim a emergir, daqui e dali, os sinais dos próximos embates ideológicos que acerbarão, ainda mais, nos anos vindouros, os embates vitais entre o conservadorismo e o esquerdismo americanos.
Para ilustrar o acirrado debate sobre se recursos públicos devam, ou não, ser alocados ao aborto, ou se este ato deva continuar a ser praticado, ou repudiado, entre os povos do ocidente judaico-cristão, postamos também o filme abaixo, que recomendamos à cuidadosa análise do prezado leitor.

Parte 1

Parte 2

terça-feira, 29 de setembro de 2009

VIDEO CENSURADO VAZA E REVELA QUEM FOI, AFINAL, O VERDADEIRO ASSASSINO DE JFK...

Um raríssimo vídeo, SUPOSTAMENTE VAZADO POR MEMBROS DA COMUNIDADE DE INFORMAÇÕES DOS EEUU, mostra, claramente, um membro do Serviço Secreto dos Estados Unidos (o mesmo que dirigia a limusine transportando o Presidente John F. Kennedy e sua esposa, no dia 22 de novembro de 1963, em Dallas, Texas), disparando uma pistola contra a CABEÇA do primeiro mandatário estadunidense.
Há evidências de que, logo em seguida, John F. Kennedy tenha sido vítima de outros disparos, vindos de locais distintos, em triangulação de atiradores.
O escritor Milton William Cooper, filho de um oficial da força aérea americana, ele próprio um rádio-amador ex-graduado da Marinha e integrante condecorado da equipe de informações da Inteligência Naval dos Estados Unidos, e que serviu na Guerra do Vietnã, detalhou no seu conhecido livro 'Behold a Pale Horse' (Light Technology Pub., Flagstaff, Arizona, 1991. P. 215 a 220, cópia na estante deste autor), a forma como o Presidente Kennedy fora assassinado. Conta-nos Cooper, nesse mesmo livro, que, segundo documentação manuseada por ele enquanto servia à Inteligência Naval, todas as cenas do atentado teriam sido documentadas na íntegra, num filme classificado como secreto pelas autoridades.
Cooper relata em sua obra que, afinal, depois de 16 anos de buscas incessantes pelo documentário, o amigo John Lear forneceu-lhe uma cópia em vídeo desse filme (intitulado Dallas Revisited, e que lhe teria sido passado pelo agente da CIA Lars Hansson) sendo esta, na verdade, a única versão existente do famoso documentário, feito por Zapruder no momento do atentado, que não fora censurada, manipulada e ocultada, durante décadas, pelo Departamento de Estado e pela CIA.
O filme completo e recomposto mostra, afinal, a cena autêntica do primeiro e fatal disparo feito contra a cabeça de John Kennedy.
Nesse documento íntegro, agora finalmente vindo a público, pode-se observar CLARAMENTE, que o Agente do SERVIÇO SECRETO dos EEUU, William Greer, que dirigia a limusine presidencial, é quem MATA JFK, com um certeiro disparo na testa.
A versão divulgada pela mídia, de que Jaqueline Kennedy pulara ao banco traseiro e engatinhava sobre o porta-malas tentando alcançar fragmentos da cabeça de seu marido ali espalhados, perde substância diante da realidade mostrada no filme.
Muito provavelmente, ela tentava fugir do carro em movimento para escapar da mira do agente armado que disparara contra JFK...
Cooper também relatou em seu livro que todas as testemunhas próximas ao carro presidencial no momento do atentado, e que poderiam ser ouvidas como testemunhas oculares do fato, foram mortas num período inferior a dois anos da ocorrência.
O próprio William Cooper, em longo litígio com a Repartição do Imposto de Renda (Internal Revenue Service), ao resistir à voz de prisão dada pela polícia local do condado em que vivia, na cidade de Phoenix, no Arizona, foi morto a tiros, no dia 5 de Novembro de 2001.
O estranho do caso é que os policiais usaram um sórdido ardil para tirar Cooper do interior de sua casa, à noite.
Fingindo ser um grupo de desordeiros e invasores da propriedade do escritor, “...ouvindo música de rock num rádio em altíssimo volume e fazendo outros ruídos de festa...” atraíram, finalmente, sua atenção.
Ao sair de casa, para verificar o que ocorria no seu terreno, recebeu voz de prisão. Armado com um fuzil, atirou no grupo de supostos arruaceiros que, subitamente, se apresentaram como policiais locais. Em troca, foi alvejado e morto como auto de resistência.


video

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

PARTICIPAÇÃO INTERNACIONAL BRASILEIRA VITORIOSA, NO ATLETISMO!!!

PARTICIPAÇÃO INTERNACIONAL BRASILEIRA VITORIOSA, NO ATLETISMO, E PASMEM, DE CARA LIMPA, SEM "DOPING"!!!

O Capitão Augusto Maciel, DO 7º Batalhão de Engenharia de Construção, Rio Branco (AC) - foi vice-campeão da competição "Ultraman Canadá 2009", um dos mais difíceis conjuntos de provas atléticas do mundo, realizada nos dias 1º, 02 e 03 de agosto. O militar foi o único brasileiro a participar da competição, completando as provas com o tempo total de 24h48m51s.
Durante O PRIMEIRO DIA da competição, os atletas nadaram 10km em um lago e, logo após, percorreram 144,8km de bicicleta; no SEGUNDO DIA percorreram mais 273,5km, novamente na bicicleta e, finalizando, no ÚLTIMO DIA de provas correram 84,3km.

Fonte: Resenha ON Line EB, de 19 Ago 2009.

sábado, 26 de setembro de 2009

CAGALHOADA DIPLOMÁTICA - III

MAU HÁLITO, EXCESSO DE GAZES INTESTINAIS E DE ODORES CORPORAIS, NO INTERIOR DA EMBAIXADA BRASILEIRA EM HONDURAS, OBRIGAM ZELAYA A USAR MÁSCARA CIRÚRGICA!!!

Aglomerados quase cem homens, como sardinhas em lata, no pequeno ambiente da representação brasileira em Tegucigalpa, onde: dorme-se no chão pelo sistema de rodízio; a comida é racionada e não-balanceada; os poucos banheiros são insuficientes para a nervosa demanda; a falta de banho faz os suores azedarem; escasseiam os materiais de limpeza e higiene, como detergentes, papel sanitário, sabonetes, desodorantes, pasta e escovas de dente; o ar ambiental começa a ficar fétido, nauseabundo, causando enorme desconforto e, ao que parece, alguma confusão mental entre o xerife Zelaya e os da sua tropa de choque...
Compartilhada apenas uma escova de dente, a
seco, para cada nove ou dez abrigados, os odores produzidos pela mastigação, deglutição e digestão de pizzas, sanduíches mistos, pacotinhos de biscoitos, chocolates e outras porcarias contrabandeadas das vizinhanças, por cima do muro, já tornam insuportável, para o batalhão de “hóspedes”, o ambiente no interior da, outrora aprazível, representação brasileira.
A saída usada pelos “abrigados”, para fugir à tremenda inhaca, foi recorrer ao uso de máscaras cirúrgicas, que, curiosamente, apesar de não se saber de onde saíram ou entraram, ainda suscitaram a Zelaya que mostrasse, e reclamasse ao mundo, a encenação de um suposto “ataque de gás químico” ao seu clã entrincheirado.
Diante de tanto desconforto, já circulam em rodas de fofoqueiros nas imediações do Palácio Itamarati, que nossa brava chancelaria deverá adquirir e distribuir, entre as representações brasileiras no exterior, assim como fazem as empresas aéreas na primeira classe dos aviões, bolsinhas “nécessaire” nas cores verde e amarela, contendo um “kit hospedagem”, do qual constarão: uma escova de dente, um tubo de dentifrício, um sabonete, um xampu, um creme rinse, um desodorante, meia-dúzia de cotonetes, um pacotinho de papel ‘Yes’, um cortador de unhas, um vidrinho de tintura para bigodes, três chips de preservativos e, ainda se discute essa hipótese, uma máscara cirúrgica...
Segundo as mesmas línguas de trapo, Marco Aurélio Garcia, assessor internacional da presidência, já estaria encarregado de dar curso a esse projeto, provisoriamente denominado
“Nosso Hóspede, Nossa Gente”.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A CAGALHOADA DIPLOMÁTICA II

SOBERANIA BRASILEIRA É VIOLENTADA EM HONDURAS!
NUM DOS MAIS ESTRANHOS EPISÓDIOS DA HISTÓRIA DA DIPLOMACIA MUNDIAL, COMPLICA-SE A SITUAÇÃO DO GOVERNO BRASILEIRO, ANTE O TREMENDO IMBROGLIO CRIADO EM HONDURAS POR SUA CANHESTRA DIPLOMACIA, DIVIDINDO A POPULAÇÃO DO PAÍS, FAZENDO O PAU
COMER E GERANDO DESORDENS, COM REBELIÕES, MORTE DE MANIFESTANTE, TOQUES DE RECOLHER, DESABASTECIMENTO, SAQUES, PALAVRÕES, XINGAMENTOS DE PARTE A PARTE, E MUITA, MUITA CONFUSÃO!
ISSO PORQUE, TANTO O PRESIDENTE LULA QUANTO O SEU ILUSTRE CHANCELER (PROSAICAMENTE CONHECIDO, EM ALGUMAS RODAS DE PATRÍCIOS IRREVERENTES, COMO “PARDAL GRIPADO”), NEGAM A CONDIÇÃO DE ASILADO POLÍTICO A ZELAYA, POR ELES CONSIDERADO, APENAS E TÃO SOMENTE, COMO “ABRIGADO” NAQUELA REPRESENTAÇÃO, UMA FIGURA ATÉ ENTÃO INUSITADA NO JARGÃO DIPLOMÁTICO MUNDIAL.
ORA, COMO LULA, AO NÃO RECONHECER O ATUAL GOVERNO HONDURENHO (INSTALADO POR DECISÃO DA SUA SUPREMA CÔRTE, RESPALDADA PELO CONGRESSO, COM O RESPEITO INTEGRAL DAS FORÇAS ARMADAS, QUE FIZERAM CUMPRIR O ATO LEGAL), NA PRÁTICA CORTANDO RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS COM AQUELE PAÍS E ESTANDO, INCLUSIVE, SEM EMBAIXADOR CREDENCIADO, PODE VER QUESTIONADA, PELO ATUAL GOVERNO, A INCOLUMIDADE DA NOSSA SUPOSTA “REPRESENTAÇÃO.”
E A COISA FICA AINDA MAIS FEIA QUANDO SE CONSTATA QUE O PRÉDIO, PARA O QUAL LULA EXIGIU, EM PLENÁRIO DA ONU, ‘GARANTIAS DE INVIOLABILIDADE’, CURIOSAMENTE, JÁ FORA INVADIDO E OCUPADO, HORAS ANTES, POR UMA HORDA DE CERCA DE DUZENTOS SIMPATIZANTES DE ZELAYA, CONTRA APENAS MEIA DÚZIA DE GATOS PINGADOS DO TERCEIRO ESCALÃO BRASILEIRO, COORDENADOS POR UM DIPLOMATA DE SEGUNDA LINHA, SEM O DEVIDO STATUS EXIGIDO PARA ESTAR À FRENTE DE UMA EMBAIXADA.
COMO OS MANIFESTANTES PRÓ-ZELAYA, NO INTERIOR DA MANSÃO, NÃO VÊM DANDO A MENOR BOLA PARA NOSSOS DENODADOS MEMBROS DA ‘CARRIÈRE’, RECUSANDO-SE, ESTRANHAMENTE, A DIVIDIR SEUS VÍVERES COM ELES, HUMILDEMENTE OBRIGADOS A RESISTIREM AO CERCO ESTRANGEIRO À MÍNGUA, SEMPRE DE PÉ E NO FIM DA FILA PARA USO DO BANHEIRO, FICA BASTANTE CLARO, HOJE E AGORA, QUEM COMANDA DE VERDADE E QUEM SÃO OS SITIADOS NO INDIGITADO PRÉDIO QUE, PORTANTO E NA VERDADE, NÃO MAIS REPRESENTA A TERRITORIALIDADE BRASILEIRA.
NESSAS CONDIÇÕES, EM QUE NOSSA SOBERANIA FOI, CLARAMENTE, VIOLADA PELA TROUPE DE PARTIDÁRIOS DE ZELAYA, TALVEZ O GOVERNO DO “PRESIDENTE EM EXERCÍCIO”, MICHELETTI, VENHA A SE SENTIR DISPOSTO A RESGATÁ-LA, INVADINDO O PRÉDIO, EXPULSANDO E PRENDENDO OS INCÔMODOS ‘ABRIGADOS’ E DEVOLVENDO A REPRESENTAÇÃO À PLENA POSSE BRASILEIRA, COMO SERIA DE SUA INTEIRA OBRIGAÇÃO.
E AO NOSSO GOVERNO, JÁ RECEBENDO AS PRAGAS ROGADAS PELOS PREOCUPADÍSSIMOS BRAZUCAS RESIDENTES EM HONDURAS, A QUEM CABERIA DAR PROTEÇÃO, AO INVÉS DE MOTIVOS PARA PERSEGUIÇÕES E NOITES DE INSÔNIA, CABERIA PÔR COBRO AO CASO PARA EVITAR VEXAMES AINDA MAIORES, CONFERINDO, IMEDIATAMENTE, A ZELAYA E SUA CLAQUE O STATUS DE REFUGIADOS POLÍTICOS, PARA ENTÃO TRAZÊ-LOS AO BRASIL.
OU ENTÃO, SE PREFERIR UM DESASTRE AINDA MAIS COMPLETO, CREDENCIAR ZELAYA, DE VEZ, COMO EMBAIXADOR DO BRASIL EM HONDURAS, CARGO QUE O GOMALINA BIGODUDO E ENCHAPELADO, COM ARES DE XERIFE, PARECE JÁ TER ASSUMIDO POR CONTA PRÓPRIA...

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Sobre "GOVERNO PETISTA FAZ MONUMENTAL CAGALHOADA DIPLOMÁTICA!!!"

De: Gelio Fregapani - geliofregapani@uol.com.br Em 22 de setembro de 2009 http://www.senado.gov.br/sf/atividade/pronunciamento/detTexto.asp?t=380956
O SR. HERÁCLITO FORTES (DEM - PI. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) Sr. Presidente, Srªs e Srs Senadores... Senador José Sarney, peço a V. Exª que me honre com a sua presença durante este pronunciamento, por ser uma matéria em que, ao longo de sua carreira política nesta Casa, V. Exª sempre foi um defensor da unidade democrática do nosso País e da nossa região. À medida em que o tempo passa, fica mais forte a impressão de que a diplomacia brasileira perdeu o rumo; de que tudo que foi construído na esteira de Rio Branco, em termos de capacidade negociadora e de postura pragmática, como o norte seguro das nossas relações internacionais, vai aos poucos virando pó. De repente, Sr. Presidente, o Brasil virou um líder do assim chamado Terceiro Mundo nas negociações travadas no âmbito da OMC. Não há problema de o País assumir uma liderança legítima; muito ao contrário. A questão, porém, é termos sido usados, durante todo o processo de Doha, como porta-vozes de um grupo que, ao fim e ao cabo, não tinha todo o alinhamento que, a princípio, se imaginou. Na hora de fechar o acordo, deixou nossos representantes falando à toa, liderando somente a si próprios. Pior ainda, com o retumbante fracasso de Doha ­ de cuja culpa participamos amplamente, ao menos do ponto de vista de grande parte da comunidade internacional, ficou claro que, havendo apostado apenas nessa cesta, ficamos sem um ovo inteiro sequer. É que enquanto nos iludíamos com os delírios do protagonismo mundial, o mundo todo fechava seus acordos bilaterais, todos, Sr. Presidente, menos nós. O que mais me preocupa, agora, é o modo como nossa diplomacia - tanto a oficial, alocada no Itamaraty, quanto a oficiosa, que dá plantão junto ao Gabinete do Presidente da República, no Palácio do Planalto - vem tocando as questões da cena latino-americana. O Presidente Lula já se acostumou, nos encontros regionais de cúpula, a protagonizar o papel de “amansa-Chávez”, função graciosamente aceita por Sua Excelência, embora já recusada por muitos, inclusive por Sua Majestade o Rei Juan Carlos, da Espanha, como todos se recordam. Pior que isso, porém, é o sistemático desprezo pelos interesses nacionais que o Governo demonstra em uma eloquente série de conflitos, envolvendo nossos vizinhos. Eloquente, de fato, porque somente se manifesta nos embates com os Governos neopopulistas, equivocadamente tidos como “de esquerda”, que ultimamente começaram a pipocar em nossa vizinhança. Em primeiro lugar, foi o vexame do gás e do óleo na Bolívia, onde nossa orgulhosa estatal Petrobras, a ungida do pré-sal, a padroeira da candidatura Dilma, foi chantageada, espoliada e praticamente escorraçada daquele País. Isso porque ela tinha feito absolutamente tudo para ser benquista por aquelas bandas. Afinal, ela criou o mercado consumidor, financiou a extração e o transporte do combustível, mas, aparentemente, era pouco para o neoindigenismo sectário, que por lá se assentou. Ainda hoje, Srªs e Srs. Senadores, assistimos ao reassentamento de milhares de famílias brasileiras que vivem na Bolívia, a maioria muito pobre, de suas terras desapropriadas - após anos, ou décadas, depois de posse pacífica -, pela nova Constituição boliviana pelo fato de estarem situados a menos de cinquenta quilômetros da linha de fronteira. O Governo brasileiro não somente dá apoio político a essa violência; ele paga por ela, contribuindo financeiramente para que uma organização internacional ajude no reassentamento. Vejam a que ponto chegamos! Depois, veio o caso equatoriano, no qual demonizar toda e qualquer iniciativa empresarial brasileira naquele País deu o mote para a campanha nacionalista pró-Constituição, empreendida pelo Executivo. Parece um padrão, não é mesmo? E deu certo: nossas empreiteiras foram expulsas de lá; a Petrobras corre riscos enormes neste momento; e o Senhor Rafael Correa, o Presidente equatoriano, conseguiu sua nova Constituição junto com o ticket praticamente quitado para a reeleição. Nada mal! Exceto, claro para o Brasil. Entretanto, o mais recente estilo de liderança do Itamaraty, agora comportadamente restrita ao nível regional, ainda ao nível regional, ainda está em curso. Certamente causou muito mal-estar no Paraguai a indisfarçada simpatia do Governo brasileiro pela candidatura do ex-Bispo Fernando Lugo, à Presidência daquele País, em 2008. Esse mal-estar foi ainda mais agravado quando ficou claro que o principal eixo da proposta de governo do Bispo Lugo era, nada mais nada menos, do que rever o Tratado de Itaipu, em meio a acusações ao Brasil, chamado de imperialista. Aqui faz sentido um comentário intermediário: o Paraguai tem sido, há mais de um século, um vizinho confiável e um grande parceiro e apoiador do Brasil, em praticamente todas as suas investidas diplomáticas. Essa situação consolidou-se de modo notável após a construção da Hidrelétrica Binacional de Itaipu. Creio que há, realmente, uma dívida de cortesia e de amizade do Brasil para com esse povo amigo e simpático, que aprecia tudo o que é brasileiro. Assim, o que realmente incomoda, no caso Itaipu, é que - por muito que queiramos, ou mesmo devamos apoiar o desenvolvimento paraguaio - isso deve ser feito de uma maneira apropriada. Primeiramente, não cabe concordar com a pecha de “imperialista” que vem sendo impingida ao Brasil por determinados círculos oficiais daquele país, mesmo porque ela é injusta; e não cabe arriscar um tratado que, como o de Itaipu, com mais de três décadas de existência, ainda estará em vigor por muito tempo. Em segundo lugar, o que é até mais grave, começa a imprensa, de repente, a dar conta de que foi fechado um acordo em Assunção, dia 25 de julho último, durante reunião de cúpula do Mercosul, pelo qual o Tratado de Itaipu, aparentemente, estaria sendo modificado. Mas até pouco tempo atrás, Srªs e Srs. Senadores, o Presidente Lula afirmava que era possível ajudar o Paraguai sem modificar o Tratado. E, de repente, no meio de uma dessas crises em que o Governo Lugo é fértil - e digo isso sem qualquer ironia - o Brasil resolve mudar de idéia, com a clara intenção de criar uma boa notícia para o “amigo” Bispo. Não é dessa maneira que se tocam as relações entre as nações! O mundo não é um clube onde os “companheiros” trocam favores, em aberto confronto com as representações que detêm, conferidas pelos seus próprios povos. Sobretudo, não é possível continuar com essa total falta de transparência em relação a negociações desse nível. Nem é mais possível continuar a mentir ao consumidor, como se mentiu na escaramuça boliviana: as declarações do tipo -nenhum custo adicional será repassado ao consumidor brasileiro- rapidamente foram desmoralizadas pelo aumento havido nas contas de energia dos grandes consumidores de gás. Agora, o mesmo filme. De tão repetido, já sabemos qual será o final: a benemerência despropositada, a ação entre companheiros será, em breve, espetada nas contas de luz que todos nós pagamos. Cito aqui, a propósito, alguns desses benefícios concedidos, os quais, até onde sei, foram acordados em frontal discordância dos técnicos de energia do próprio Governo brasileiro. Atentai bem, como diria Mão Santa:
1) Reajuste de 300% da remuneração ao Paraguai, pela cessão de energia de Itaipu, elevando o bônus pago pelo Brasil dos atuais 120 para 360 milhões de dólares, Senador Sérgio Guerra.
2) Permissão de venda de parte da energia de Itaipu, de propriedade paraguaia, diretamente no mercado livre brasileiro, conforme mecanismo ainda a ser ajustado.
3) Abertura da possibilidade de que, após 2023, o Paraguai possa vender seu excedente energético a terceiros, colocando uma espada sobre a cabeça do equilíbrio energético nacional.
4) Abertura de créditos superiores a US$1,5 bilhão, parte deles a fundo perdido, para financiamento pelo Brasil de obras de infraestrutura no Paraguai. A relação inclui ainda um mirante no lado paraguaio de Itaipu, com o “singelo” custo de US$20 milhões!
5) Adoção de um regime especial de tributação de 25%, em alíquota única, para os sacoleiros, que são assim legalizados, e passam a ser taxados bem abaixo da média da atividade econômica legalmente constituída em nosso País. É uma espécie de Bolsa-Muamba.
6) Compra de energia de outras duas hidrelétricas paraguaias. E, finalmente,
7) Recebimento, pelo Brasil, de uma auditoria que o país vizinho está fazendo acerca da assim chamada “dívida espúria” do Paraguai, por conta de Itaipu. Faço, ao final, apenas dois comentários, que considero da maior gravidade. Primeiramente, afirmo que é fácil mistificar o passado. Pela primeira vez na história, isso mesmo; pela primeira vez na história, aquilo... Mas relembro que o preço da energia que o Brasil compra do Paraguai foi - por anos a fio! - uma espécie de ajuda, uma vez que, sem essa compra, que já foi para nós um ônus, um bem sem uso, não teria o país irmão como honrar parte sequer dos compromissos que assumiu com a construção da barragem. E nunca é pouco recordar que tudo em Itaipu - exceto os ativos, os bens finais, que ironicamente são de propriedade igualitária - foi bancado pelo Brasil. Em segundo lugar, relembro que - com ou sem “companheirismo” as modificações num tratado internacional devem ser examinadas, avaliadas e, se for o caso, ratificadas pelo Congresso Nacional. Aguardamos a comunicação oficial do Executivo para avaliar a extensão e a profundidade desses acordos, que - a valer pelo que nos chega pela mídia - somente podem ser entendidos como causadores de uma série de danos ao interesse nacional. Danos que - eventualmente justificáveis em razão de uma linha positiva de diplomacia - parecem dever-se mais à necessidade de afagar um correligionário; mais um dos que, como outros antes, primou por morder a mão amiga que o acariciava. Estamos atentos, Sr. Presidente. Ao menos em nossa Constituição , o Executivo tem algumas contas a prestar acerca do resultado dos seus voluntarismos. Muito obrigado.

GOVERNO PETISTA FAZ MONUMENTAL CAGALHOADA DIPLOMÁTICA!!!

O ESQUERDISMO PETISTA-INFANTILÓIDE, QUE NOS GOVERNA DE BRASÍLIA, ACABA DE ATIRAR AO LIXO AS MAIORES TRADIÇÕES DA DIPLOMACIA BRASILEIRA,CONSOLIDADAS PELO SEU MAGISTRAL PATRONO, O BARÃO DO RIO BRANCO. NA CRENÇA DE PODER ALCANÇAR O STATUS DE “POTÊNCIA MUNDIAL NA MARRA”, CANDIDATO EXPLÍCITO E SUPLICANTE AO “CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU”, O BRASIL DESFRALDA, DE FORMA HISTRIONICAMENTE DESASTRADA, SUAS PRETENSÕES COMO MEMBRO INFLUENTE DA COMUNIDADE PLANETÁRIA, LEVANDO INSEGURANÇA PELO INCENTIVO À REBELIÃO POPULAR NO PAÍS AMIGO.AO SE ENVOLVER, DE FORMA AINDA NEBULOSA, NA TRAMA QUE PRETENDE DEVOLVER AO CENTRO DO PODER EM HONDURAS SEU EX-PRESIDENTE ZELAYA, A CHANCELARIA BRASILEIRA (COM APOIO DO PLANALTO), TENTA REVERTER, NA BASE DO ‘GOLPE LEGALISTA’, UMA DECISÃO SOBERANA TOMADA PELO CONGRESSO HONDURENHO E PELO PODER JUDICIÁRIO, COM AMPLO APOIO DAS FORÇAS ARMADAS E DA MAIORIA DA POPULAÇÃO. CONSIDERANDO QUE A DECISÃO DE EXPULSAR ZELAYA FOI TOMADA PELOS PODERES DA REPÚBLICA HONDURENHA EM VIRTUDE DO EX-PRESIDENTE HAVER DECIDIDO VIOLAR O TEXTO MAIS DO EXPLÍCITO DA CONSTITUIÇÃO VIGENTE, NA TENTATIVA DE PRORROGAR SUA PERMANÊNCIA NO PODER EXECUTIVO, O GOVERNO BRASILEIRO PETISTA, APOIADO PELA DITADURA CUBANA E PELOS CAUDILHOS DO ‘SOCIALISMO FESTIVO’ QUE COMEÇAM A PULULAR NAS AMÉRICAS, LIDERADOS POR CHAVEZ, EXPLICITA O QUE LHE VAI NO RECÔNDITO DA ALMA: O DESESPERADO APEGO AO PODER E SUA PERPETUAÇÃO NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, REVOGANDO O CONCEITO DEMOCRÁTICO, UNIVERSAL, DA ALTERNÂNCIA DO PODER, SUBSTITUINDO-O PELA SUPOSTA ‘DEMOCRACIA DO PAI DA PÁTRIA’ E DO ‘PARTIDO ÚNICO ESQUERDISTA’! AGORA QUE A EMBAIXADA BRASILEIRA ESTÁ CERCADA PELA POLÍCIA HONDURENHA, COM LUZ, ENERGIA E ÁGUA CORTADAS, SEM ALIMENTAÇÃO, O JEITO É AJOELHAR E REZAR PARA QUE UM MILAGRE SALVADOR OCORRA, TIRANDO O PAÍS DESSA TREMENDA ENRASCADA.OU ENTÃO, COM O RABINHO ENTRE AS PERNAS, TRAZER ZELAYA AO BRASIL COMO REFUGIADO OU, MELHOR AINDA, ENTREGÁ-LO AO PRIMEIRO PAÍS INCAUTO QUE APARECER NA PORTA DA EMBAIXADA... COM TAMANHA, DESAVERGONHADA E DESASTRADA ATITUDE DE INTROMISSÃO NOS ASSUNTOS INTERNOS DE UM PAÍS AMIGO, O PT REINAUGURA SUA MAIS NOVA E CRIATIVA POLÍTICA DIPLOMÁTICA:
O PRAGMATISMO TROGLODITA DE ESQUERDA!

A FREIRA DA CIA

Remetido por:

Gelio Fregapani - geliofregapani@uol.com.br

Política: Dorothy, a freira da CIA
Publicado pelo wiki em 10/09/2009


VEJA O QUE AS ONG'S E ALGUMAS AUTORIDAES FAZEM COM NOSSO PAÍS! IMPRESSIONANTE!!!

Todo e qualquer assassinato deve ser condenável, e isso é uma premissa moral da decência, a exemplo do que vitimou a freira norte-americana Dorothy Stang, na Amazônia, em 2005. Mas fortes indícios ligam a cultuada "Irmã Dorothy", que era presidente da ong GTA, ao movimento de internacionalização da Amazônia brasileira. O que nos leva a perguntar: por quê há tantos "missionários" e cientistas norte-americanos, entre outros estrangeiros, atuando através de ongs ali?
Segundo os serviços de informações do Brasil, Dorothy Stang foi uma ex-oficial de informações militares dos EUA. Acumulou experiência missionária e de guerrilha na América Central (Nicarágua) e tornou-se conhecida no meio evangélico da Amazônia, onde desempenhou 10 anos de atividades religiosas e de "conscientização" de comunidades. Foi assassinada em fevereiro de 2005, próximo ao município de Anapu, no Pará.
No ano anterior à sua morte, a Dorothy Stang estaria diretamente ligada à incitação de conflitos rurais agrários e ao suprimento de munições aos seus "protegidos". O fato teve grande repercussão internacional, com o apoio do Conselho Mundial de Igrejas, braço do Serviço de Inteligência anglo-americano. O direito americano protege os seus cidadãos onde eles estiverem. No caso da tenente Dorothy, agentes diplomáticos, advogados e CIA vieram ao Brasil, na época, para pressionar o governo na apuração do crime e dar prioridade ao caso, sob vigilância de ongs estrangeiras que, certamente, protegem a Amazônia para a cobiça internacional.
Na Amazônia, aplicam uma estratégia velada para impor-nos a soberania compartilhada na região. Tem tido êxito. Nosso governo se dobra, negociando soberania por interesses sem ver ameaça na demarcação de terras indígenas na fronteira, financiadas por potências alienígenas, inclusive os EUA. A segregação, imposta pela Funai, impedirá que populações indígenas se sintam brasileiras por não estarem integradas à Nação. Esta é a herança maldita que nos passam a Funai e suas ongs, muitas delas lideradas pelo marido de Marina Silva, e, inexplicavelmente aceito por um presidente que se diz nacionalista.
A propaganda verde aponta certa ex-ministra como a incorruptível. Aquela que prefere perder o pescoço a perder o juízo. "Só" agora o PT parece perceber as falcatruas dela; a imprensa já está anunciando as doações feitas a seu marido Fábio Vaz de Lima, líder de um pool de ongs chamado GTA, e as irregularidades que praticava. Os órgãos de inteligência já sabiam disto há muito tempo, e em conseqüência o governo deveria saber.
A propósito, aparece a sigla "GTA nas fotos da "santa" Dorothy", aquela freira que não cuidava da religião, mas promovia conflitos rurais. Qual seria a ligação entre a evangélica Marina e freira pseudo-católica?

Fonte-Link: http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=14243

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

URNAS ELETRÔNICAS

ENVIADO POR
Roberto Monteiro de Oliveira
mailto:rtmo@uol.com.br
em 18 de setembro de 2009 09:04

Vou repetir o que recentemente afirmei: o Eng Amilcar Brunazo (www.votoseguro.org ), há tempos já vem apresentando PROVAS irrefutáveis de que estamos dentro de uma verdadeira conspiração tecnológica, na qual as Urnas Eletrônicas -- vulneráveis, fraudáveis e INAUDITÁVEIS -- são o instrumento que permite que fraudes gigantescas sejam feitas, (algumas já comprovadas) e -- POR CONSEQÜÊNCIA -- tudo o mais que possamos tentar fazer para que seja recuperada nossa ''democracia" (mesmo cheia de defeitos) é simplesmente IMPOSSÍVEL -- ESTAREMOS BANCANDO OS PALHAÇOS...
O Dr. Amilcar resume essa trágica realidade com um slogan extremamente preciso e conciso:-
"SEI EM QUEM VOTEI, 'ELES' TAMBÉM;
MAS SÓ 'ELES' SABEM QUEM RECEBEU MEU VOTO"

Agora divulgarei a opinião de um outro profissional o Dr. Walter Del Picchia, Prof Titular da Escola Politécnica da Universidade de S.Paulo ( wdeltapi@gmail.com ) em 13 de Agosto de 2009, enviada para o Blog do Adriano Soares da Costa em 13/8/09):

CITAÇÃO:

Ele ESCREVEU:

“Prezado Adriano
”Li todos os artigos sobre as urnas-e brasileiras de seu blog. Não sou candidato derrotado, nunca trabalhei em algo relacionado com atividades eleitorais e não ofereço qualquer tipo de consultoria na área. Por isso, minha opinião é livre de interesses financeiros e/ou partidários. O que me move é a preocupação de deixarmos para as gerações vindouras um sistema eleitoral tão falho, sujeito a inúmeras fraudes e manipulações, na contra-mão de tudo que se faz no resto do planeta. E, pior, impingido desonestamente como uma maravilha para a sociedade iludida e anestesiada.
Não é condizente com a democracia pela qual lutei. E discordo da afirmação de que é fraudável na 'teoria'. Ele é fraudável sob todos os pontos de vista, não passa nos testes menos exigentes de segurança de dados (sistema informático no qual a segurança depende da honestidade de seus controladores é intrinsecamente inseguro). As afirmações dos doutos (na área jurídica) juizes do TSE são risíveis e irrelevantes, pois eles entendem de segurança de dados menos do que eu, engenheiro eletrônico, entendo de cirurgia pulmonar. Só o fato do TSE fugir de debates e/ou testes independentes já depõe contra a honestidade da urna-e. Gostaria de propor uma direção para o debate proposto pelo senhor. No site www.votoseguro.org há uma cartilha com um resumo das principais críticas dos que desejamos mais transparência. Que tal o TSE, e/ou seus defensores, responderem às graves afirmações lá contidas?

Ei-las:

CARTILHA BÁSICA DO VOTO-E no Brasil - Atualizada em agosto de 2009 (ver página principal de www.votoseguro.org ).

I) Argumentos técnicos demonstram a insegurança da urna eletrônica brasileira:

1. Adulterações nos programas podem provocar o desvio de votos sem deixar rastros;
2. Adulterações nos programas podem permitir a identificação sistemática do voto (o número do título eleitoral é digitado na urna);
3. É impossível verificar, na prática, se os programas das 400 mil urnas são corretos.

II) São procedimentos insuficientes para garantir a segurança (passíveis de serem burlados):

1. Emissão da Zerézima (suposta demonstração de que a urna estaria sem votos);
2. Votação Paralela (simulada) no dia da eleição;
3. Auto-verificação de assinaturas digitais pelo próprio programa das urnas;

III) A propaganda do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre suas próprias urnas eletrônicas:

1. Usa jargão que confunde o eleitor;
2. Sistematicamente, ignora e nega os inúmeros problemas ocorridos.

IV) Em relação à confiabilidade:

1. A urna eletrônica brasileira não permite conferência externa da apuração;
2. O TSE impede uma investigação independente;
3. O TSE mantém secretos relatórios que apontam falhas importantes.

V) As urnas biométricas (com leitura da impressão digital do eleitor) também são inseguras:

1. Não são aceitas em todo o mundo por causa dos riscos de violação de votos;
2. Tem custo proibitivo (equipamentos, programas e conferências);
3. Não impedem fraudes do mesário (colocar votos por eleitores ausentes);
4. Não impedem a compra de abstenção ou de votos (feita com filmagem pelo celular);
5. Dificultam, mas não impedem, o cadastro de eleitores fantasmas;

VI) Visão do exterior sobre a urna eletrônica brasileira:

1. Foi rejeitada por TODOS os mais de 50 países que vieram conhecê-la;
2. É proibida em dezenas de países por não materializar o voto e por
identificar o eleitor (exemplo: Alemanha, Holanda, Reino Unido, 40 estados dos EUA, Argentina, México e Paraguai);
3. Até o inventor da Assinatura Digital condena a ausência da materialização do voto;

VII) O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) detém super-poderes.

Em relação às eleições, ele:
1. Executa/administra;
2. Legisla/regulamenta (a fiscalização permitida é feita com regras do
próprio fiscalizado);
3. Julga;
4. Muitas vezes ignora as próprias regras;
5. Recebe as denúncias;
6. Protela ou as arquiva;
7. Julga-se a si mesmo;
8. Absolve-se.

VIII) Propostas para dar confiabilidade ao sistema eleitoral eletrônico brasileiro:

1. Adotar a tri-partição dos poderes no processo eleitoral, reservando ao TSE a função judiciária;
2. Adotar o voto em papel conferido pelo eleitor para permitir a auditoria da apuração eletrônica;
3. Não identificar o eleitor na mesma máquina na qual ele vota.
----------------------------------------------------------
SEI EM QUEM VOTEI. ‘ELES’ TAMBÉM.
MAS SÓ ‘ELES’ SABEM QUEM RECEBEU O MEU VOTO!"
=========================FIM DA CITAÇÃO

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

SOBRE O TRIPLO ASSASSINATO EM BRASÍLIA

Gelio Fregapani disse:

Depois de periciar o local do crime mais de dez vezes, correndo o risco de "contaminar" a cena do crime com a entrada, permanência e saída de pessoas no local, a Polícia Civil do DF anuncia já ter chegado ao nome do assassino do advogado e ex-ministro do TSE José Guilherme Villela, de 73 anos de idade, morto em 31 de agosto passado, junto com a mulher e uma empregada.
Sem a intenção de menospresar a extensão da violência que se abateu sobre as famílias das vítimas, me parece que um importante detalhe noticiado com o crime não está sendo devidamente explorado por nossa "imprensa investigativa".
Refiro-me ao suposto e pouco noticiado recebimento de uma indenização no valor de 84 milhões de reais, em doze parcelas de 7 milhões, que o falecido advogado teria recebido via judicial.
Me intrigam as razões que levariam uma pessoa fazer juz a mais de 1 milhão de reais, valor equivalente a uma pequena mega-sena - ou para os apreciadores, um valor igual à premiação de um dos vários "reality shows" (?) recentemente apresentados pela televisão - por cada ano de vida.
Que tipo de causa judicial pode alcançar tal valor?
Quantos processos iguais circulam ou circularam pelos nossos tribunais?
Quantas pessoas já fizeram juz a indenizações de tal porte?
Por que tal assunto não tem sido noticiado com mais profundidade?
E, o que mais me interessa: quem paga tais indenizações?

Gelio Fregapani
geliofregapani@uol.com.br
14 de setembro de 2009 15:59

domingo, 13 de setembro de 2009

Sobre "SERÁ QUE JÁ NÃO SE FAZEM MAIS GENERAIS COMO ANTIGAMENTE...???"...

Artur Teixeira disse:
Armindo Abreu,
Creio que a têmpera dos oficiais superiores brasileiros não mudou e que só aparentemente estão remetidos aos quartéis… Contudo temo que a obediência “cega” à Lei, indistintamente, sobretudo quando esta não serve o país e logo os interesses gerais da Nação, pode inibir uma acção legitima contra quem usurpa o Poder ainda que lá tenha chegado pelo voto popular. Hoje, mais do que nunca, a retórica da Democracia serve para a instalação de interesses escusos que nada têm a ver com as propostas anunciadas. Decerto vai chegar o momento que será necessário intervir. Oxalá que não seja tarde.
Por outro lado, seria imprudente “revelar” a eventual disposição dos oficiais superiores brasileiros face ao rumo do governo de Lula, que para além da corrupção, norteia-se na essência segundo interesses internacionalistas, sobretudo tratando-se de um profundo conhecedor da hierarquia militar, como de facto és. A questão colocada pode não ser inocente e trazer água no bico…
Abraços.
Artur

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

SERÁ QUE JÁ NÃO SE FAZEM MAIS GENERAIS COMO ANTIGAMENTE...???

Stenio pergunta:

CARO ARMINDO,
A VC. QUE TEM LIGAÇÕES COM NOSSOS MILITARES, PERGUNTARIA: ATÉ QUANDO OS COMANDOS DAS TRÊS FORÇAS ARMADAS ASSISTIRÃO, PACIFICAMENTE, A ESSA DERROCADA?
SERÁ QUE NÃO SE FAZEM MAIS GENERAIS COMO ANTIGAMENTE?
ABS
STENIO.

Armindo responde:
Caro Stenio:
Como vc deve saber, minhas antigas ligações profissionais ou de respeitosa amizade com alguns militares provém de duas fontes básicas:
1. Os ex-companheiros dos bancos escolares do Colégio Militar do Rio de Janeiro que seguiram carreira nas três Forças Singulares (nossa turma está completando 50 anos de formada e deverá reunir no CMRJ, em novembro próximo, entre muitos outros ilustres colegas, desde o comediante Castrinho - Geraldo de Castro Filho - ao Ministro das Cidades, Márcio Fortes de Almeida, e ao atual Comandante do Exército, o General Enzo Martins Peri).
2. Ex-Chefes militares e companheiros das três Forças com quem convivi, ao longo de 10 anos, na Escola Superior de Guerra, como Estagiário, Membro do Corpo Permanente, Membro do Conselho de Estudos e Chefe da Divisão de Extensão.
Pela proximidade de que desfrutei nas muitas atividades profissionais e acadêmicas, em grupos de estudos e de trabalho, posso assegurar-lhe, em caráter estritamente pessoal e sob minha inteira responsabilidade, que os nossos coronéis e generais seguem recebendo e praticando os mesmos elevados padrões de formação e eficiência profissional de sempre, com base nos eternos valores morais, éticos e de patriotismo prevalentes em nossa cultura ocidental, de raízes judaico-cristãs. E que os nossos oficiais superiores do último posto, seguindo as tradições castrenses, continuam sendo avaliados durante toda a carreira e indicados ao generalato por seus próprios pares, e ninguém mais.
Por não fazerem parte da cultura militar brasileira quaisquer outros princípios, valores ou critérios estranhos à nacionalidade ou à carreira, não haverá, portanto, promoções por critérios ‘subjetivos’ estranhos às Forças, por indicações partidárias, pela impetuosidade do ‘mercado’, pela ação de ‘comissários do povo’ ou por sopros alienígenas...
Os coronéis, concluídos todos os cursos obrigatórios de especialização, estarão sempre preparados e aptos para a ascensão e, se, infelizmente, não forem todos convocados a assumir os postos culminantes da carreira, é, única e exclusivamente, devido às restrições legais aos quantitativos dos respectivos quadros de cada Força.
Portanto, haverá sempre, entre eles, o respeito à lei, à ordem democrática constituída, à democracia representativa; à preservação da unidade nacional; à livre-iniciativa; à livre-concorrência; às eleições honestas, limpas; aos interesses maiores do povo brasileiro.

As exceções históricas registradas no passado se referem, exclusivamente, a descompassos entre a lei, a boa ordem, as práticas democráticas e a outros processos contrários aos anseios da nacionalidade, pelos desgovernos que, favorecendo coalizões de interesses espúrios, puseram em risco toda a estrutura democrática que se pretendia construir e ver em prática permanente, perdendo, com isso, a legitimidade.
Você deve se lembrar bem, durante o período pré-industrial brasileiro, à época das eleições a ‘bico de pena’, dos currais eleitorais que favoreciam as oligarquias fundiárias, onde arranjos espúrios perpetuavam sua influência e mantinham o povo sob cabresto, confiando o poder apenas aos grupos de influência do eixo São Paulo/ Minas Gerais, na famosa política do ‘café-com-leite’, ignorando o restante das forças-vivas do nosso imenso país, um gigante continental com pés de barro.

Regressados da II Guerra Mundial, em que lutamos junto aos países aliados contra o Eixo pelos mesmos valores da democracia ocidental, os militares brasileiros se empenharam em remodelar essa estrutura política arcaica, reconstruí-la, levando os benefícios da democracia representativa a todo o povo brasileiro. Entre outras inúmeras providências, uma vez derrubada a ditadura Vargas e erguidas instituições nacionais democráticas, com eleições populares (que, inclusive, trouxeram de volta ao poder o ex-ditador, agora pelo voto - veja aí que ditaduras também podem merecer apoio popular), criaram a Escola Superior de Guerra como um centro de estudos e debates livres entre civis e militares, para a construção de uma doutrina democrática, genuinamente brasileira, que expurgasse os vícios e conchavos da ‘república velha’ e permitisse a criação de um “Método de Planejamento para a Ação Política” dando corpo e eficiência, com gestão otimizada, aos escassos recursos públicos. E isso seria feito, como defende a doutrina da ESG, segundo os parâmetros democráticos universais, valores cristãos e patrióticos, permitindo levar de forma equânime e solidária, a todos os brasileiros, seu justo quinhão de “Segurança e Desenvolvimento”.

Não obstante, conforme ocorreu em todo o mundo ocidental, também o Brasil foi alcançado pelos ventos antidemocráticos pregados pela “revolução planetária” do comunismo anticristão, desagregador da nacionalidade, destruidor das garantias individuais, da propriedade privada e do desenvolvimento espiritual pela proibição aos credos religiosos. Era o materialismo sem pátria que batia às nossas portas, pondo em risco as conquistas trazidas dos campos de batalha na Europa, razão da presença e do sangue derramado pelos nossos pracinhas nos campos gelados de batalha.
A besta comunista, antes vencida no teatro da guerra, agora afiava suas garras às portas da Nação, comprometendo a filosofia democrática dos partidos políticos infiltrados, corrompendo nossos valores essenciais, ameaçando a integralidade da Pátria, , a individualidade do ser humano, tentando condená-lo ao papel material de mera peça de reposição nas engrenagens de um futuro estado global, totalitário e açambarcador.
Justo por isso, para livrar-nos desse mal insidioso, veio a revolução de 64, ante apelos candentes e o mais amplo apoio da população ordeira.
Recompuseram-se, durante os 20 anos de governos militares, as bases da consolidação de uma nacionalidade ameaçada...
Criou-se uma infra-estrutura incomparável, especialmente de comunicação e integração do povo brasileiro, de sua língua, costumes, cultura, anseios, do respeito e amor ao torrão natal; de repulsa ao chamamento internacionalista, do apelo à dissolução das mais diversas nacionalidades, espelhado no grito marxista em prol da rebelião mundialista:
“-Proletários do Mundo, Uni-vos.”

O Brasil saiu íntegro e ainda mais forte dessa nova batalha, que só incomodou, molestou, aos que obravam nas sombras, pela força da rebelião armada, da subversão da ordem, da mentira, das ameaças à ordem pública, dos assaltos aos bens privados, dos assassinatos e seqüestros, da infiltração vermelha e da cizânia, na vã tentativa de que o Brasil se fragmentasse e se rendesse ao credo bolchevique.. .
A nós, que nos dedicamos diuturnamente ao trabalho honesto, profícuo, havia empregos de sobra, bem remunerados, criados pela formulação inteligente de um projeto nacional virtuoso e vitorioso, pela persistência e pela tenacidade criativa de um povo que, até então, nunca suplicara por esmolas, apenas pelo direito ao trabalho digno, orgulhoso.
Esse foi o campo de batalha e de preparo dos generais de hoje, que desenvolveram suas carreiras, viveram e laboraram nesses tempos de vigilância, de Ordem e Progresso. E, sobretudo, dos estudos e das ações que prepararam o Brasil para viver os tempos atuais da democracia representativa, livre e soberana.
Não lhes cabe, portanto e a rigor, julgar o bom ou mau uso que dela fazem agora que o poder foi transferido aos civis, desde que contida nos parâmetros da lei e da ordem. Não lhes faculta, também, interferir na administração da coisa pública, simplesmente por desgostarem eventualmente, aqui e ali, de certos rumos escolhidos pelos políticos, desde que ao amparo da Lei. Afinal, isso é do jogo democrático.
Mas, reconheçamos, no que disser respeito as suas atribuições constitucionais, Eles não deverão esmorecer. Creia, contudo, que conhecem muito bem todos esses meandros e, por isso, continuam acompanhando e identificando, atentamente, os problemas nacionais e a forma como se está usando a herança política, tão duramente conquistada pela nação..
A nossa tarefa, como civis patriotas, e a deles, como cidadãos fardados, será, portanto, acompanhar o desempenho e o uso do aparelho democrático construído, a boa e honesta aplicação dos ativos consolidados naqueles tempos duros de reconstrução e fortalecimento da democracia. E, sobretudo, se a condução do país se comporta segundo a lei positiva, arquitetada com base nos valores morais, éticos e religiosos que embasam a sociedade brasileira e fundamentam nossa constituição republicana.

Sei muito bem a que você se referia quando usou, para formular sua pergunta, à contundente palavra DERROCADA. Não desconheço que, como muitos patriotas, está-se preocupando com a decadência dos costumes políticos e sociais, com a meteórica ascensão dos sócio-comunistas, ontem derrotados pela sociedade brasileira, militares à frente, na tentativa de ‘cubanizar’ o Brasil. e de colocá-lo sob o jugo da influência soviética... Os mesmos derrotados, ora beneficiados pelos sufrágios populares, pela democracia forjada naqueles tempos de reconstrução nacional são os mesmos que agora, sem nenhum pejo, denominam de “anos de chumbo”... E hoje se fartam nas tetas do estado, as mesmas que não conseguiram empolgar pela força das armas e do terrorismo, sob o vil pretexto de acabar com a burguesia (classe média) e de colocar no poder a ‘ditadura do proletariado’.
Aproveitando-se do voto livre, articulado e preparado durante a administração militar, revelam, à luz do dia, o tamanho da voracidade com que atacam recursos públicos para enriquecer pessoalmente, à custa da fome e da miséria dos compatriotas que, antes, pela força das armas e do embuste, prometiam socorrer, salvando-os dos braços da “ganância capitalista”...
Esse é o verdadeiro ‘espírito socialista’ dos heróis de fancaria, surgidos dos porões da redemocratização nacional’...
De outro lado, no vácuo deixado pela falência temporária do comunismo, uma tremenda e irresistível vaga ultra-liberal tentou subtrair o poder das mãos da soberania popular, entregando-o aos ‘mistérios auto-reguláveis e à globalização do mercado’, fato que fez acumular, ainda mais, a riqueza em escassas mãos e levou o mundo à beira da catástrofe financeira.
Como nos advertia Jorge Boaventura, ex-Conselheiro (por falecimento) do Comando da ESG, ... ”O neoliberalismo globalizante pretende sobrepor-se às soberanias nacionais, violentando o direito natural.”
Ainda na singular concepção desse grande mestre e filósofo, “... O Patriotismo é o sentimento resultante da compatibilização emocional que, natural e espontaneamente, se estabelece entre o homem e o ambiente físico e cultural em que ele veio ao mundo, desenvolveu sua personalidade e integrou-o no processo histórico.” E, nessas mesmas circunstâncias, o nacionalismo, de forma natural,... “Sem estar maculado por nenhuma xenofobia, é um corolário do patriotismo sendo, portanto, algo inserido na ordem natural.”
E nela,... “Os militares constituem a expressão física do instinto de sobrevivência de uma Nação”

Sempre atentas, tanto aos aspectos filosóficos e doutrinários que garantirão a perenidade da Pátria e de seus naturais, quanto aos desvios à consecução desse ideal, em nossos dias registrados à esquerda e à direita do espectro político, as Forças Armadas brasileiras, por isso. mostram-se fiéis à nacionalidade, nunca às doutrinas políticas alienígenas.

Com tudo isso em mente, meu caro amigo, lembre-se ainda, muito bem, de que, segundo a nossa Constituição,...

“A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
“V - o pluralismo político.”
E que, ainda, pelo seu Art. 142...
“As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.” (nossos destaques)
Portanto, no remoto caso de uma grave escassez de recursos materiais destinados à manutenção e ao aparelhamento das FFAA, por intenções ou desvios orçamentários inexplicáveis, impedindo o correto cumprimento dos seus deveres constitucionais, ou o surgimento de ameaças concretas a alguns desses princípios pétreos de nossa Carta-Magna, ameaçando-os ou pondo em risco a perenidade do espírito nacional consubstanciado no texto epigrafado, aí sim, podes crer, veremos todos nós, felizmente e Graças a Deus, de que têmpera os nossos generais continuam sendo forjados...
Um forte abraço do
Armindo Abreu.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

SOBRE O ÚLTIMO DISCURSO DE KENNEDY (2) ...

Guilherme Augusto Rodrigues disse...
Prezado Armindo,
Já que falamos de Presidentes, poderia expor em relação ao Fernando Collor, as verdades sobre sua ascensão ao poder, bem como seu governo-pau-mandado e os motivos reais de ter sido retirado?
Obrigado!! Abraço!
Guilherme
26 de Agosto de 2009 11:48

Armindo Abreu disse...
Respondendo ao GUILHERME AUGUSTO:

Collor e seus mentores souberam aproveitar muito bem a frustração e a perplexidade populares ante a inesperada morte de Tancredo Neves, velho e alquebrado, caído na véspera de assumir o cargo e dando o governo, de mão beijada, a Sarney, que vinha de bons serviços prestados aos governos militares, já desgastados pelo longo tempo no Poder. E estes, apesar de haverem construído uma espetacular infra-estrutura de telecomunicações, haviam perdido, por descuido imperdoável, a batalha da comunicação, logo ocupada por adversários que passaram a demandar ‘eleições diretas’.
O povo, exaurido, seguiu a onda, pediu diretas mas só “ganhou” a presidência no Colégio Eleitoral... Ganhou, mas, como visto, não levou...
Collor, homem Jovem e vigoroso, bem orientado pelos “conselheiros” do sistema de poder, “fez a sua hora”, no melancólico final do Governo Sarney.
Aliou-se a um partido novo e de encomenda, sem passado criticável, e arrebatou o eleitorado com um discurso incisivo, supostamente patriótico (o ponto forte da época militar) decidido, que prometia combater o estado inchado (um paquiderme pesado e lerdo, como era caracterizado à época, justamente por ter sido o veículo usado pelos militares para conduzir o “Milagre Brasileiro”); as empresas do estado, muitas criadas no período pós-64, então transmutadas pela propaganda da oposição em símbolos da ineficiência, de altos salários e de cabides de emprego; os corruptos e os “marajás “ do serviço público, exatamente o discurso que as pesquisas de opinião, realizadas secretamente na época, mostravam que o eleitorado queria ouvir dos candidatos...
O problema é que, como todos os demais, em todas as épocas, Collor teria que fazer o seu juramento de fidelidade às forças que o apoiaram e honrar a palavra empenhada.
Com o tremendo choque provocado pelo seu contundente discurso de posse, em que anunciou medidas dramáticas, entre elas o fechamento de empresas estatais e outras jóias do aparato da administração federal, como a Interbrás, autarquias como o IBC, O IAA, a SUDENE, a SUDAM, etc., simultaneamente a um monumental choque na economia. Promovendo o congelamento dos saldos em conta corrente e a taxação extraordinária de ativos financeiros, ELLE deu um choque de intervencionismo maciço no Brasil, fazendo com que, pela primeira vez numa democracia capitalista liberal, ninguém possuísse mais do que cinquenta mil unidades monetárias no bolso ou na conta corrente... Nenhuma organização socialista ou comunista, dentro ou fora da “cortina de ferro”, havia conseguido, antes, tamanha proeza de dirigismo econômico; nenhum governante da história jamais assumira pregando uma abertura à economia de mercado e logo de cara, dera um golpe intervencionista tão forte e certeiro contra os recursos privados das famílias que, por tanto tempo, haviam repudiado o estatismo socialista....
Despreparado, inculto, agressivo, quase desvairado, Collor renegou seus compromissos de sangue e passou a agir, depois disso, como se fosse o dono absoluto do país. Afinal, quem tudo pode, sempre pode um pouco mais...
Fora de controle, logo passou a agir como se não devesse satisfações a quem quer que fosse e começou, com sua tropa de choque particular, a tentar construir um esquema de poder pessoal paralelo.
O sistema de poder convencional, implacável, reagiu de pronto.
Através da ação onipresente da mídia, o golpe de estado foi preparado com apuro e competência, dando-se ao povo a nítida impressão de que Collor cairia pela vontade absoluta dos “camisas-pretas”, que saíram às ruas em protesto contra o presidente.
Começou, assim, o processo de impeachment e o Congresso, dócil, obediente ao “comando das ruas” (eufemismo para ‘ordens superiores’) fez o resto do serviço “democrático”...
Mais um “golpe à brasileira”, leve, incruento, indolor. Afinal, aqui ainda não se mata os presidentes desavindos...
Armindo Abreu

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

DIFERENÇAS, QUASE SEMÂNTICAS, ENTRE... “POLÊMICA” e “DEBATE”!!!

Velho e matreiro amigo deste blogueiro, impressionado com a enorme quantidade de vezes em que, ultimamente, tem lido e ouvido a palavra POLÊMICA na mídia, desde as primeiras páginas dos jornais às reportagens esportivas, e muito pouco a palavra DEBATE, me pergunta:
-Armindo, qual é a diferença que você vê entre as intenções ocultas dos jornalistas e articulistas, escondidas atrás das palavras POLÊMICA e DEBATE ?
Há, mesmo, alguma?

Respondo-lhe, na bucha:
Independente do significado histórico de cada uma dessas palavras, o termo “POLÊMICO” é usado, hoje em dia, para caracterizar qualquer projeto ou idéia desagradável ao establishment e que, por isso mesmo, será preciso ridicularizar e condenar, sistematicamente, no papel ou pelo éter, através da opinião de ‘famosos’ ou ‘eruditos’, visando a que o público, de forma supostamente ‘livre e democrática’, venha a repudiá-lo in limine.
Já o vocábulo “DEBATE”, tem servido para abrigar as teses interessantes ou essenciais ao “esquemão” de poder, para que, à força da persuasão metódica e do encorajamento por defensores ‘famosos ou populares’ sejam aceitas, sem maiores resistências, pelo povão.
Veja, como exemplos, o que vai abaixo:

A idéia de se mudar o sistema de exploração da camada geológica do Pré-Sal, do regime de ‘concessão’ (em vigor) para o de ‘partilha’ (garantindo a posse de maior quantidade de óleo produzido em benefício do estado brasileiro), tem sido considerada “POLÊMICA” por defensores do ‘concessionismo’ em favor do mercado internacional e das multinacionais. E isso ficou claro com os depoimentos de Zilbersztain, Minc, Goldemberg e Feldman, em chamada de primeira página de “O GLOBO”.

DROGAS LIVRES:
O
DEBATE sobre a questão das drogas ganha status no país. Ontem, no programa ‘Conexão Roberto D’Ávila’, na TV Brasil, Márcio Thomaz Bastos radicalizou. Defendeu, como criminalista e ex-ministro, a descriminalização de todas as drogas no Brasil e no mundo... Já..., como se sabe, FHC, em artigo ontem no jornalão britânico ‘The Observer’, escreveu que a guerra contra as drogas fracassou. O ex-presidente acrescentou que deveria haver um esforço internacional para promover a descriminalização dos usuários da maconha...”

Ancelmo Góis, em “O GLOBO”, de 07 de Setembro de 2009.

Será que já deu para entender?
Armindo Abreu.

domingo, 6 de setembro de 2009

SOBRE O ÚLTIMO DISCURSO DE KENNEDY ...

Eulalia disse...

Caro Armindo,

Parabéns pela escolha desse belíssimo discurso de JFK. Apenas um reparo, se me permite: esse discurso foi proferido em 27 de abril de 1961 no Waldorf Astoria Hotel em Nova York, num encontro com membros da American Newspaper Publishers Association. Não é portanto o último discurso de JFK que teve lugar, em Fort Worth, Texas, na manhã do dia do seu assassinato em 22.11.63. Informações sobre esses discursos no site da Biblioteca Kennedy jfklibrary.org

Grande abraço,

Eulalia Moreno

eulaliamoreno@uol.com.br

24 de Agosto de 2009 22:14


Armindo Abreu disse...

Cara Eulália:

Você está certíssima quanto ao fato em si. Afinal, além disso, Kennedy também fez um pequeno speech em Dallas, no próprio dia de sua morte.

O título da matéria, embora chamativo e contestado com razão, tem o sentido dessa declaração ter indicado encerramento de sua carreira política e dado um ponto final na própria vida do presidente, à semelhança do que também ocorreu com Lincoln, ao começar a emitir moeda independente, sem dívida, pelo Tesouro Nacional (o “Greenback”).

A propósito, você já reparou no filme de “Zapruder”, nesse trágico episódio, que os agentes do Serviço Secreto se afastaram claramente da limousine presidencial, antes dos tiros ? Eu visitei o local do crime e os museus lá existentes e tudo ficou muito mais claro ao vivo e em cores...

Você também sabia que a finalidade precípua do Serviço Secreto sempre foi “proteger a moeda americana” de falsificações e “outras ameaças” (a moeda privada, do FED, é claro...) e, depois disso, então, a vida do presidente que zela por ela ?

Será possível enxergar, por isso, alguma circularidade de “causa e efeito” nesse atentado ?

Olho-Vivo e um abraço do aaa

1 de Setembro de 2009 15:35


Eulalia disse...

Ola Armindo, tudo bem com você?

Que agradável surpresa receber um email seu. Gostei muito do seu Blog.

Inteligente e de bom gosto, está dentre os meus favoritos.

Eu pesquiso a vida do ex-presidente John Kennedy , o tema sempre me interessou desde a adolescência e cheguei hoje de manhã dos Estados Unidos onde fui acompanhar os funerais do senador Edward Kennedy que tive o prazer de conhecer em 1971 quando eu ainda era uma jovem estudante de jornalismo e o entrevistei no Capitólio. Desde então mantive sempre contacto com a sua assessoria e mais recentemente com o seu filho Patrick, deputado pelo Estado de Rhode Island onde é muito forte a emigração dos países de língua portuguesa. Também por ter vivido muitos anos em Portugal acompanho o trabalho do Congressista Kennedy com o qual mantenho relações amistosas.

Isso tudo para dizer o quanto é agradável encontrar alguém como você que partilha desse meu interesse.

Não achei o título da matéria chamativo, tampouco o contestei. Depois da sua explicação entendi a sutileza do que você pretendeu dizer com aquilo.

Realmente o ex-presidente JFK contrariou grandes interesses mas conservou sempre a mídia ao seu lado. Digam o que disserem, a mídia não se rendeu apenas ao seu charme ,a mídia entendeu que estava diante de um Homem único ao qual era necessário e imprescindível " proteger" dos grandes grupos.

O último discurso ao ar livre proferido por Kennedy foi na manhã do dia 22 de novembro, no parque de estacionamento em frente ao hotel em Fort Worth.

Caía uma chuva miúda, o discurso foi rápido. No interior do hotel ele foi saudado pelos políticos texanos, recebeu um chapéu de cowboy ( que se recusou a colocar) e fêz uma breve saudações prometendo a todos que na segunda feira, quando regressasse a Washington colocaria o bendito do chapéu. Desse hotel seguiram num vôo de 25 minutos para Dallas, no aeroporto organizou-se a carreata e o resto a História nos conta.

Do discurso que Kennedy proferiria em Dallas, no Trade Mart, há uma citação que particularmente chama a atenção dos estudiosos sobre a possibilidade de que ele sabia que poderia ser vítima de um assassinato: citou Isaías, " a menos que Deus vele pela cidade , o sentinela vigia em vão". E antes disso, na noite anterior no hotel em Fort Worth ele " encenou" em frente a esposa e ao assessor Kenneth O ´Donnell como poderia ter ocorrido um assassinato naquela mesma noite quando eles chegaram ao hotel, no meio da noite e se viram envolvidos pela multidão. Essa passagem está referida no livro de William Manchester, "A Morte de um Presidente".

Muitos foram os avisos, muitos os sinais mas Kennedy não escapou do seu destino.

Visito todos os anos Dallas porque participo dos eventos na semana de novembro, é sempre uma forma de me manter informada sobre as novas "teorias de conspiração", desnecessárias, porque todos nós já sabemos de onde veio a Conspiração.

A própria organização da carreata em Dallas sinalizou o Golpe de Estado " Branco" que estava a caminho: a imprensa que habitualmente ocupa um ônibus logo a seguir ao carro da escolta foi inexplicavelmente colocada dentre os últimos veículos. Daí, fotos e filmes do assassinato, apenas os feitos pelas pessoas presentes, dentre eles Zapruder, que hoje sabemos, teve o seu filme manipulado: algumas cenas foram trocadas para dar a a impressão de que Kennedy teria sido baleado por trás( tombando para a frente) e não de frente( a cabeça vai para trás), como Oliver Stone mostrou claramente no filme "JFK".

O carro de escolta seguia a limousine presidencial com 6 agentes ( quatro sentados e dois nos estribos). Todos eles, com exceção de Clint Hill (requisitado por Jacqueline para a sua escolta pessoal), tinham estado bebendo até as 7 da manhã num clube noturno de Fort Worth, o "Ceddar". Clint foi o único que reagiu aos tiros pulando do carro e protegendo Jacqueline.

Os motociclistas foram orientados pela polícia de Dallas a permancerem longe da limousine presidencial com a desculpa de que o presidente queria ser visto.

Só nesse raciocínio já temos o envolvimento do Serviço Secreto, mais a Polícia de Dallas. Um dos atiradores que estava atrás daquela cerca de madeira foi descrito pelas pessoas que ainda o viram, como alguém envergando o uniforme da polícia de Dallas. Nas análises sobre o assassinato ele é denominado como o " Badget Man". Militantes anti-castristas de New Orleans como Gay Banister, David Ferry, denunciados pelo promotor Jim Garrison , mafiosos como Giancana , Marcello e Carlo Traficante. Políticos americanos pró guerra do Vietnã como George Bush( pai) e Nixon, multimilionários texanos e seus interesses no petróleo e na guerra que se reuniram na noite anterior ao assassinato para saudar o novo presidente dos Estados Unidos, Lyndon Johnson ( Nixon esteve presente nesse jantar).

Enfim, você leu o Crime do Expresso do Oriente da Agatha Christie? Pois é, quatro apertaram os gatilhos mas os envolvidos são centenas que foram logo protegidos e continuam sendo até 2063 quando serão abertos os registros ainda secretos sobre o assassinato.

Falando em moeda: por acaso você já reparou naquele moeda de prata de half dólar que foi emitida em 1964? Ela tem a efígie de Kennedy. Repare na base do pescoço da efígie, com uma lente de aumento: você verá uma foice e um martelo. Quando a própria família Kennedy chamou a atenção para esse disparate, o Tesouro americano saiu dizendo que aquela marca eram as iniciais do autor do molde. Nas emissões seguintes, a marca, desapareceu. Há no Ebay ( www.ebay.com) várias dessas moedas que você pode aumentar e ver.

Caso não consiga, por favor me diga, que terei o máximo prazer em lhe enviar uma.

Este meu email já vai longo demais para a sua paciência. Me desculpe. Começo a falar de Kennedy e abuso da paciência do meu interlocutor.

Abraço grande, mais uma vez parabéns pelo seu Blog. Será sempre um prazer receber notícias suas. Moro em São Paulo, precisando de alguma coisa, por favor, disponha

Eulalia

2 de Setembro de 2009 06:40